Novo regime de aposentadoria será voltado à classe média




Beneficiários lotam agência do INSS em busca de atendimento GUILHERME PINTO/AGÊNCIA O GLOBO

Reforma da Previdência do governo Bolsonaro deve prever a capitalização só para estreantes no mercado de trabalho em 2030 e com renda acima de R$ 4 mil (POR MARCELLO CORRÊA, MANOEL VENTURA E DAIANE COSTA)

A capitalização, novo regime de aposentadorias previsto na reforma da Previdência que será enviada ao Congresso pelo governo, deve afetar basicamente a classe média. O novo regime é voltado para as futuras gerações e requer um prazo de implementação. A princípio, de acordo com as principais propostas nas mãos da equipe econômica, a capitalização só deve valer para nascidos a partir de 2014, que entrariam no mercado de trabalho depois de 2030.

Atualmente, quem contribui para a Previdência arca com o pagamento dos benefícios de quem já está aposentado. Na capitalização, a lógica é diferente: o trabalhador poupa para a sua própria aposentadoria, numa aplicação individual.

O novo regime, porém, não seria aplicado a todos os trabalhadores. O governo pretende definir um corte de renda a partir do qual o segurado deve ser enquadrado na capitalização. Uma das principais propostas em análise pela equipe econômica, elaborada pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga e pelo economista Paulo Tafner, define esse patamar em R$ 4.055,82, em 2030.

O estudo prevê que o valor a partir do qual o trabalhador se enquadra na capitalização cairia gradativamente e chegaria a R$ 3.284,27, em 2040. Mesmo considerando esta queda na faixa de renda ao longo do tempo, é possível dizer que será um modelo para a classe média, pois, segundo o IBGE, em novembro de 2018, o rendimento médio do trabalhador brasileiro era de R$ 2.238. Ainda não há valor definido de corte de renda na proposta do governo. (Fonte: O Globo)

COMPARTILHAR